Sistema Imunológico

Sabe-se desde o início do século 20 que a exposição a certos produtos químicos têm efeitos de redução imunológicos. A saúde humana é influenciada pelo ambiente e muitas doenças podem ser desenvolvidas ou agravadas por fatores ambientais e é crescente a preocupação com o efeito e por exposição ocupacional ou inadvertida. Há materiais biológicos e drogas que podem danificar o nosso sistema imunológico.

O sistema imunológico tem a função de reconhecer e destruir os agentes causadores de doenças e tudo o que for estranho ao corpo. Contém milhões de células altamente especializadas na corrente sangüínea além de tecidos e órgãos desenhados para este propósito. Quando o corpo é invadido por substâncias estranhas como vírus e bactérias, as células imunológicas respondem atacando e destruindo este material estranho ou tornando-o inofensivo. Quando parte do sistema imunológico está danificado, o corpo não se pode defender e as doenças e as alergias podem se instalam.

O sistema imunológico funciona desenvolvendo antígenos que se especializam em atacar as substâncias estranhas. O nosso corpo consegue detectar milhões destas substâncias e produzir os antígenos adequados para controlá-las. O sistema imunológico pode “lembrar” da produção destes antígenos e produzí-los de forma rápida se necessário outra vez, sob novo ataque ou ocorrência. A produção de antígenos para uma possível proteção é o principio de funcionamento de uma vacina.

O complexo sistema de defesa do corpo humano é composto de células variadas e especiais produzidas na medula óssea, estas células imunológicas são chamadas de leucócitos ou células brancas e incluem os macrófagos, eosinófilos, células NK (natural killer), células plasmáticas e linfócitos T e B. Estas células podem mandar mensagens para outras que se encarregam de produzir antígenos para o combate às substâncias estranhas.

Idade, predisposição genética, estilo de vida, dietas, uso de drogas, remédios e estresse podem comprometer o sistema imunológico e aumentar a chance de doenças e alergias. Mais de 10% da população mundial tem tendência genética a desenvolver alergias e doenças causadas por queda de resistência e grande parte desta população é de crianças.

Crianças com pais alérgicos têm 50 % de chance de nascerem alérgicas e com apenas um pai alérgico, a chance ainda é de 30%. A predisposição a alergias é governada por mais de 60 genes. É bem conhecido o fato de que o sistema imunológico é sensível a produtos químicos como remédios, vitaminas, antibióticos, agentes anti fúngicos, hormônios, difenil-hidantoina, lítio e outros, e que o abuso de drogas incluindo álcool e cocaína são imuno tóxicos. A exposição além de afetar o sistema imunológico, causa hiper sensitividade, alergia e danos a órgãos e tecidos levando a uma situação auto imunológica onde as células do sistema de proteção se atacam a si mesmas.

Vários produtos químicos causam respostas alérgicas à pele, o tolueno di-isocianato usado na produção de plásticos por exemplo, pode causar dermatite e asma, trabalhadores de indústrias de tintas e vernizes expostos ao anidrido trimetálico, têm reações alérgicas como renite e asma levando a síndromes respiratórias graves. Exposição a chumbo, ouro e mercúrio pode levar à auto-imunologia atacando rins, causando artrite, nefrite, problemas gastrointestinais, circulatórios e nervoso-centrais, tiróide, etc..

Uma série de produtos químicos afeta o homem por contato com a pele e pelo sistema respiratório. Solventes orgânicos, benzeno e concervantes (usado para condicionamento de enlatados) causam câncer no sangue. A nitrosamina é imuno-supressor (suprime a ação do sistema imunológico), assim como os biocidas para controle de pragas e doenças de vegetais, a exemplo do 2,4-D, 2,4,5-T, TCDD, dioxina, etc., também são imunosupressivos e levam a diversas doenças.