Poeira

Tratamento de Alergias – Poeira Doméstica

Substância encontrada na poeira doméstica, a endotoxina, é um resíduo lipídico de origem bacteriana e representa um fator de risco a quem sofre de alergias e asma. – “American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine”.

Ocorre em qualquer parte da casa sendo mais comum em pisos de cozinha e quartos. Quadros clínicos de asma e outras doenças respiratórias estão associados à presença de endotoxinas na casa.

Outro problema para quem tem alergias, problemas respiratórios e asma são as micotoxinas, metabolitos secundários de fungos que, da mesma forma que as endotoxinas das bactérias, podem induzir animais e humanos a problemas alérgicos e respiratórios. Alguns cogumelos com suas micotoxinas podem causar alucinações e até morte.

As endotoxinas, comumente encontradas em poeira de casas, são um risco para quem sofre de asma e alergias respiratórias.

Alergias – Poeira Orgânica Agrícola

O trabalho agrícola envolve vários riscos à saúde. Os agroquímicos com sua toxicidade direta são o exemplo típico. O trabalhador rural esta sujeito a câncer de pele, doenças dermatológicas, zoonoses, etc., mas nenhuma é mais séria que as que afligem o trato respiratório. Estudos nos EUA, Inglaterra e países escandinavos revelam que a mortalidade de fazendeiros por doenças respiratórias é maior que a de trabalhadores na cidade.

O cloro, sulfídrico, amônia, diesel queimado, solventes, fumos de solda, também agentes infecciosos derivadas de animais, esporos de fungos e outros microorganismos que se alimentam dos produtos das colheitas estão presentes nas chamadas poeiras orgânicas e inorgânicas.

Indivíduos expostos à poeira orgânica agrícola têm 3 vezes mais chance de desenvolver doenças respiratórias como asma e bronquite que outros trabalhadores da cidade.

O problema nota-se em todo o trato respiratório, desde o nariz à região mais profunda dos brônquios. Esta poeira altamente penetrante com partículas com menos de 10 micra de diâmetro inclui fungos e bolores, pólen, poeira de silos de armazenamento, etc..

Encontra-se poeira orgânica em explorações de frangos, suínos e laticínios associada a material inorgânico em suspensão. Esta poeira pode conter ainda materiais vegetais como ração, camas, pele, pelos, penas, fezes, urina, bactérias e fungos.

Na poeira encontram-se ácaros e outros artrópodes, insetos fragmentados, aditivos alimentares, antibióticos, pesticidas, micotoxinas, endotoxinas, fração de células de bactérias, etc…

Sensitividade Pneumônica

De 5 a 8% dos trabalhadores rurais expostos a pó orgânico desenvolvem a hiper – sensitividade pneumônica.

Os vários problemas respiratórios são resposta imunológica do pulmão que produz anticorpos para neutralizar as substâncias a que esta em contato com o caso do fungos do pó de feno. Trabalhadores de criação de cogumelos, colhedores de cortiça com problemas respiratórios são exemplos deste tipo de resposta alérgica. A alta sensibilidade pneumônica com a exposição continuada levará a uma bronquite crônica, encurtamento da respiração e perda de volume pulmonar.

Testes de exposição a pó orgânico de uma usina beneficiadora de algodão demonstrou que níveis até 200 microgramas/m3 de ar [ g/m3] de pó orgânico é seguro para os trabalhadores, sendo altamente crítico quando a exposição passa dos 750 g/m3.

Sinais de problemas respiratórios por a endotoxinas são encontrados em trabalhadores de silos graneleiros ou em suinocultura e granjas com pouca ventilação. A prevenção pode ser feita com exaustão de ar e uso de máscaras.

O armazenamento de algodão é a única atividade regulamentada nos EUA permitindo até 200 g/m3 nas áreas de operação têxtil. Especifica também que as poeiras orgânicas em geral devem obedecer à concentração máxima de 15 g/m3 para poeira total e até 5 g/m3 para a micro poeira abaixo de 10 micra.