Desinfecção de Containers

As substâncias responsáveis pela liberação de odores para a atmosfera são geralmente gases inorgânicos ou compostos orgânicos voláteis (COV/VOC`s – Volatil Organic Compounds), sendo os primeiros resultado da atividade biológica nos esgotos e fontes correlatas e os VOC´s derivados da presença de resíduos ou produtos industriais.

Odores: Os compostos químicos normalmente associados a maus odores são as mercaptanas, indóis, ácidos inorgânicos, aldeídos, cetonas e compostos orgânicos contendo nitrogênio ou átomos de enxofre. Estes compostos são originários da decomposição anaeróbia de compostos com alto peso molecular, especialmente proteínas, reconhecidas como causas do mau-cheiro do esgoto e de estações de tratamento em geral. Entre os compostos inorgânicos, a amônia (NH4) e sulfeto de hidrogênio (H2S), são considerados as principais causas do odor de esgotos domésticos.

A presença de sulfeto de hidrogênio é causada devido a desenvolvimento de ambientes químicos redutores, caracterizado por valores baixos do potencial de oxi-redução entre 150 — 350 mV, observando-se, nestas condições, um desenvolvimento favorável de microorganismos redutores de sulfato gerando o gás sulfídrico e os odores.

Em sistemas de tratamento de esgoto aerados não há tanta produção de sulfeto de hidrogênio e odores, entretanto os odores podem se formar no biofilme de lodo que cobre a superfície submersa das linhas de condução de esgoto difundindo-se nna área. Condições sépticas podem surgir também em esgotos de baixas velocidades que desencadeiam atividades intensas de bactérias sulfato-redutoras particularmente se o sistema está localizado em uma região que enfrenta altas temperaturas.

Grupos químicos principais, causas de odores: sulfetos, amônios e odores amínicos, proteínas, ácidos graxos, aminas graxas e outras moléculas graxas, compostos nitrogenados e sulfurosos, monômeros acrílicos e vinílicos, água amoniacal e amônia, mercaptanas, fontes nitrogenadas e sulfurosas.

Na indústria as principais fontes de odores são fábricas de Fibra de Vidro, Alimentícia, Borracha, Papel, Açúcar, Moldagem, Refino de Óleo, Gorduras, Emulsões Acrílicas, Tintas , Vernizes, Resinas, Limpeza de Tanques, Gás Natural, Borracha, Dutos de Ar Condicionado, Caixas de Água Industriais, Aterros Sanitários, Caminhões Coletores, Compostagem, ETE, Curtumes, Abatedouros, Frigoríficos, Caminhões Frigoríficos, Hotéis, Shoppings, Bingos e Hospitais.

O processo de percepção do odor se da quando uma parte limitada da molécula estimula os receptores do nariz e envia um sinal de odor para o cérebro. Estes odores podem ser classificados em três tipos:

(1) Ácidos graxos, onde ocorre o cheiro de gordura, suor e de indústrias de processamento óleos; o odor é de ranço, fermentações diversas, suor etc..

(2) Compostos de Enxofre: estes odores são geralmente derivados de sulfito orgânicos e mercaptanas, geralmente causados por reações biológicas anaeróbias e por vegetais e animais em estado de putrefação.

Em alguns casos o nitrogênio reativo nas moléculas de odor é substituído por fósforo, enxofre e selênio e nesses casos, o odor é ainda mais forte. Na prática, um odor não é formado apenas por um desses agentes, mas por uma composição de muitos destes agentes: um odor de enxofre em geral inclui moléculas de nitrogênio, ao mesmo tempo.

Compostos Orgânicos Voláteis (COV)

Os Compostos Orgânicos Voláteis (COV) são um grande grupo de produtos químicos à base de carbono que se evaporam facilmente à temperatura ambiente. Alguns não têm cheiro nem odor o que não indica o nível de risco da inalação.

Existem milhares de diferentes compostos orgânicos voláteis produzidos e utilizados no nosso quotidiano, entre eles: Acetona, Benzeno, Etilenoglicol, Formaldeído, Cloreto de metileno, Percloroetileno, Tolueno, Xileno e Butadieno. Materiais que podem emitir VOC´s: tapetes e adesivos, produtos compostos de e para madeira, tintas, produtos de vedação e calafetação, solventes , tecidos para estofados , vernizes, pisos de vinil, produtos para limpeza e desinfecção, cosméticos, óleo combustível e gasolina, bolas de naftalina, escapamento de veículos, operações como cozinhar, limpeza a seco, jornais, aquecedores não elétricos, r fotocopiadoras, cigarros, etc…

O melhor controle é feito com a isolação do problema, ventilação e aumento de “ar fresco” .

Medição dos odores

Os parâmetros para expressar a concentração de odores podem ser definidos:

(1) Perceptibilidade de Concentração Residual (ATC: Absolute Threshold Concentration), definida como a concentração mínima que pode ser detectada em 100% (em alguns casos 50%) das pessoas envolvidas com a análise olfativa. Em alguns casos, a média geométrica de medições de membros únicos é usada.

(2) Odor Number (TON: Threshold Odor Number), ou o número de diluições necessárias para reduzir a concentração da amostra para o ATC.

(3) Concentração máxima de exposição (TLV: Threshold Limit Value), representa a concentração máxima na qual as pessoas podem ser expostas durante um período de 8 horas por dia, 5 dias por semana e 50 semanas por ano (média ponderada ao longo de 8 horas), para uma vida de trabalho de 40 anos.

(4) Concentração Máxima Permitida (MAC: Máximum Allowed Concentration): A concentração máxima que nunca deve ser excedida. O quadro abaixo apresenta os valores destes índices em relação a uma série de compostos encontrados em o ambiente de estações de tratamento de esgoto.

Processos de Controle de Odor

São basicamente 03 os processos de controle de odor adotados pela industria: oxidação térmica, biofiltração e oxidação quimica.

Na Oxidação Térmica se queimam os compostos causadores de odor diretamente e se usa para compostos orgânicos voláteis. Embora eficaz em algumas aplicações e compacto, envolve altos custos de instalação e funcionamento (utilização de combustíveis como “oxidante” material). No processo de Biofiltração se remove o odor capturando os compostos causadores num leito filtrante onde são oxidados por microrganismos. Uma limitação dos filtros biológicos é a área necessária para as instalações. A área da biosuperfície do filtro está diretamente relacionada ao fluxo de ar a ser tratado e a necessidade de fornecer 45-60 segundo tempo de detenção. O mau desempenho do filtro biológico é normalmente atribuído à falta de umidade no meio filtrante. Outros inibidores de desempenho são os curtos circuitos, pH e altas temperaturas.

O Processo de Desodorização por Oxidação Química podem remover uma grande variedade de compostos que causam odor. Existem vários tipos de lavadores de gases, incluindo leito fixo, névoa, e lavadores Venturi; todos são projetado para maximizar o contato entre os compostos odoríferos do fluxo de ar sujo com a “solução química”. Normalmente o ar viciado é ventilado através da mídia de plástico em uma direção que é co-corrente ou contra-corrente para o fluxo de líquido.

A vantagem de um purificador embalado é que a concentração da solução de lavagem pode variar em resposta a flutuações nos níveis de odor. Estas unidades são geralmente o método menos dispendioso do tratamento de odores de alta intensidade. Quando se usa o hipoclorito de sódio, uma desvantagem de sistemas de depuração química úmida é a emissão de compostos clorados e emissão de odor de cloro pela chaminé. O uso de ozônio e peróxido de hidrogênio como oxidante pode minimizar estes problemas e impede a formação de subprodutos clorados.